6 cuidados que você deve ter com o financiamento imobiliário

30 de maio de 2017

32

A economia brasileira está experimentando sua primeira retração depois de mais de uma década de crescimento. Com isso, é normal que a cautela na hora de buscar um financiamento imobiliário aumente. Contudo, não é somente do cenário econômico que deve ser considerado na hora de recorrer a uma instituição financeira para financiar um imóvel.

Sobre isso, e também sobre as oportunidades que o delicado cenário econômico trás para quem quer investir no setor imobiliário, conversaremos neste post. Acompanhe!

A crise é uma oportunidade para quem vai investir no setor imobiliário agora

Para começar, é importante dizer que a crise deve ser vista como uma excelente oportunidade se você quer investir em um imóvel. De acordo com especialistas em economia, desistir de adquirir um imóvel somente por conta das notícias relativas à crise não é a melhor escolha.

Para o economista Ricardo Amorim – apresentador do Manhattan Conection da Globo News e fundador da Ricam Consultoria -, por exemplo, este é o melhor momento para investir no setor imobiliário. Recentemente, ele concedeu uma entrevista ao Estado de Minas, na qual afirmou: “esta é a melhor hora [de comprar imóveis] e a razão é que todo mundo está preocupado e ninguém comprando. E nessa situação, surgem as melhores oportunidades. Em 2002, quando o dólar chegou a R$ 4, e em 2003, quando a economia cresceu pouco, como neste ano, em que o PIB pode até cair um pouco, quem comprou viu o preço do imóvel se multiplicar por duas, três, cinco, 10, 20 vezes”.

6 cuidados na hora de buscar financiamento imobiliário

Dito isso, vamos aos cuidados que você deve ter ao buscar um financiamento imobiliário:

1 – Verifique como está seu nome na praça

O primeiro cuidado que você deve tomar é verificar se há alguma restrição em seu nome. Para fazer isso, utilize o serviço Serasa Consumidor. Nele, a partir do seu CPF, você consegue verificar se há alguma restrição.

2 – Consulte vários bancos para encontrar a melhor taxa

Qualquer ponto percentual a mais ou a menos na taxa de juros fará toda a diferença para o seu orçamento pessoal. Por isso, sente com os gerentes de diversos bancos para verificar quais são suas propostas. Algumas instituições disponibilizam estas informações em seus sites. Faça simulações prevendo o pagamento em dia e também possíveis atrasos para que você consiga se planejar com folga.

3 – Assuma parcelas que caibam no seu bolso

Por via de regras, os bancos liberam financiamento com parcelas no valor de até 30% da renda do cliente. Contudo, é aconselhável se comprometer somente com 20 ou 25% para não passar por apertos.

4 – Amarre um bom contrato

Não assine contratos sem passar um pente fino em todas as cláusulas. Dê uma atenção especial para àquelas que tratam de “amortizações” e “taxas extraordinárias”. Se tiver dúvidas, consulte um profissional especializado (advogado ou especialista em financiamento imobiliário) para que ele lhe “traduza” o “juridiquês” da papelada.

5 – Cuidado com os “seguros” que os bancos oferecem

Existem dois seguros obrigatórios para o financiamento imobiliário. São eles: o “mortuário” (para casos de morte ou invalidez do contratante) e o “seguro por danos ao imóvel”. Todo e qualquer adicional só pode ser incluído na negociação se você concordar.

6 – Fique atento às taxas e impostos do seu financiamento imobiliário

É bom saber que haverão taxas para registro do imóvel no cartório e também o Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), nos casos em que o comprador adquire um imóvel de outra pessoa. Os valores de ambos podem variar de cidade para cidade e de estado para estado. Alguns bancos oferecem a possibilidade de acrescer estas despesas no montante financiado.

Então, estas dicas ajudaram? Você está preparado para investir em um imóvel? Se tiver alguma dúvida, entre em contato conosco. 

Ir ao topo