Pagar à vista ou financiar o imóvel?

8 de maio de 2017

02

Na hora de comprar um imóvel, uma dúvida que costuma pairar sobre os consumidores é: pagar à vista ou financiar? O que é mais vantajoso ou o que onera menos o bolso do consumidor? A verdade é que não existe uma resposta definitiva. Cada caso é um caso. Muitas pessoas têm pressa, por isso não querem ficar muito tempo poupando dinheiro para o pagamento à vista; outras preferem esperar um pouco mais e não ficar com nenhuma dívida de médio e longo prazo.

Pensando nisso, reunimos algumas dicas para os dois casos, para que você decida o que é melhor para a sua realidade:

Pagar à vista

Se considerarmos que a taxa de juros para os financiamentos gira em torno de 8% a 12% ao ano, ao comprar um apartamento para ser quitado em 30 anos, você já terá investido o valor de mais de dois apartamentos quando acabar de pagá-lo.

Olhando por esta perspectiva, é melhor levar uma vida mais modesta e guardar uma boa fatia do orçamento em uma poupança ou outro tipo de aplicação para juntar um montante e comprar à vista ou quitar boa parte do imóvel.

Vale, então, encontrar uma aplicação financeira que renda bons juros, como previdência privada ou papéis do Tesouro Direto (NTN-Bs), que gerem bons rendimentos e diminuam o tempo de investimento e espera para a compra à vista. É, portanto, uma questão de fazer as escolhas certas e conseguir economizar para comprar.

Os especialistas também aconselham juntar 50% a mais do valor do imóvel, para investir em custos adicionais que virão com o imóvel adquirido – mensalidade de condomínio, IPTU, escritura, etc.

Financiar

O financiamento exige muita estratégia. Afinal, é preciso encontrar a melhor taxa de juros ao ano, ter garantias para oferecer ao banco ou financiadora e, sobretudo, estar disposto a arcar com os valores maiores ao final da quitação do imóvel.

O financiamento é uma opção interessante para quem não quer ou não tem perspectiva de grandes mudanças na carreira ou na vida pessoal – familiar, por exemplo – e que, por isso, não quer pagar aluguel. O valor investido no aluguel pode ser usado para pagar então o financiamento.

Outro ponto importante a se considerar é o limite de comprometimento da renda. Segundo especialistas, tanto a poupança para a compra à vista quanto o financiamento não devem comprometer mais que 20% da renda familiar. Isso para assegurar um planejamento financeiro saudável no médio e longo prazo.

De qualquer forma, possuir um imóvel no Brasil é sinônimo de solidez no patrimônio. Apesar do aquietamento do mercado imobiliário – que nos últimos anos esteve aquecido, inclusive com alta nos preços -, ter à disposição um imóvel é garantia de consolidação patrimonial.

Você está pensando em adquirir um imóvel? Que critérios está considerando para decidir entre o pagamento à vista ou o financiamento? Nós podemos ajudá-lo!

Ir ao topo